área de acesso restrito
  • continuar conectado
Lembrar minha senha
sem cadastro

CITYBUS 2.0 retira cerca de 1500 carros das ruas de Goiânia diariamente

09/10/2019 | Geral

Levantamento realizado por estudantes de mestrado da UNB apurou que 85% dos clientes do CityBus 2.0 vieram de modos individuais.

Pesquisa realizada por discentes de mestrado em Transportes da Universidade Nacional de Brasília (UNB) comprova tendência de troca de carros e transporte individual por aplicativo pelo serviço coletivo sob demanda, o CityBus 2.0, o que reforça a característica de adesão a um modelo inovador de transporte coletivo. O levantamento apurou que 85% dos clientes do CityBus 2.0 vieram de modos individuais (carro, moto, apps e outros).

Esses números são comprovados por uma pesquisa feita pelos alunos Mariana Araújo, Jefferson Hishiyama e Daniela Rodríguez Ortiz, da Universidade de Brasília (UNB), da disciplina Transporte e Sociedade, orientados pelo professor Augusto Brasil. “Queríamos compreender melhor o comportamento de viagens da sociedade contemporânea em um serviço inédito no contexto da América Latina. O resultado do perfil dos usuários nos surpreendeu, pois, dado o caráter coletivo do Citybus 2.0, esperávamos que a maioria fosse também usuária do transporte público regular, entretanto, os resultados mostraram que 80% dos usuários substituíram o automóvel ou transporte por aplicativos pelo serviço”, explica Mariana Araújo.

A pesquisa intitulada ‘Avaliação da Percepção de Qualidade do Transporte Público Coletivo Responsivo à Demanda CityBus 2.0 em Goiânia’, que será lançada na íntegra ainda no mês de novembro/2019, identificou que os usuários, em sua maioria, fazem parte da população economicamente ativa da cidade e se deslocam para ir ao trabalho, escola ou universidade.

“Os resultados da pesquisa corroboram com as discussões que temos tido tanto em ambientes técnicos e acadêmicos, que serviços de mobilidade compartilhados, sob demanda e ao alcance dos nossos smartphones são tendências de consumo das novas gerações. Entretanto, isso não indica uma substituição aos meios de transporte atuais, como ônibus, carro, moto e bicicleta, mas, sim, uma complementação para dar mais opções de viagens e destinos urbanos à sociedade”, conclui Mariana Araújo.

 

Ineditismo

No centro-oeste do Brasil, onde pouco se tem notícia de que ousadia e tecnologia podem ensinar para o restante do país, uma iniciativa inédita na América Latina chegou aos oito meses de operação mostrando que é possível um transporte público coletivo por aplicativo de celular conquistar uma cidade inteira. O CityBus 2.0, operado pela HP Transportes, uma das concessionárias do transporte público coletivo convencional de Goiânia e região metropolitana, tem circulado pela capital de Goiás, com seus miniônibus confortáveis, com ar condicionado, carregadores de celular, câmeras de segurança e motoristas profissionais treinados pela empresa.

A estimativa é que cerca de 1.500 carros possam sair diariamente das ruas da capital de Goiás. Esse é um dos objetivos do serviço que foi alcançado, avalia a diretora executiva da HP Transportes, Indiara Ferreira. “Trabalhamos durante mais de dois anos numa jornada de inovação para buscar alternativas para o transporte e para as pessoas. Uma busca por uma nova forma de transporte público que conversasse com a necessidade da população atual, que também fosse tecnológica e que desse liberdade de tempo e de escolha de destino.”

Mais liberdade

O serviço é inédito por ser transporte público e por não ter rotas nem horários fixos. O usuário chama o serviço a partir de um aplicativo desenvolvido pela VIA, empresa de tecnologia norte americana que já implantou serviço semelhante em mais de 50 cidades no mundo, e é direcionado para um ponto virtual, geralmente próximo a uma esquina e aguarda a chegada do seu miniônibus que o levará ao seu destino definido no APP. O valor a ser pago é definido pelo aplicativo de acordo com a distância a ser percorrida.

Lançado em 11 de fevereiro deste ano, o serviço complementar tem quebrado paradigmas no transporte público, inclusive com relação à avaliação do serviço. Numa escala que vai até 5, o CityBus 2.0 tem sido avaliado em 4,9 desde o seu lançamento, sendo o motorista, o item mais bem avaliado. “Sabemos do caos que é o transporte público coletivo em todo o Brasil, e trabalhamos para gerar uma boa experiência para o usuário do CityBus 2.0. Temos feito ajustes, melhorias, sempre a partir das críticas e sugestões que são feitas pelas avaliações do serviço no aplicativo. Temos esse compromisso com o nosso cliente.”, explica Hugo Santana, diretor de transportes da HP Transportes.

O serviço já registra mais de 50 mil usuários cadastrados nas plataformas iOS e Android. Um ponto muito positivo é o índice de viagens agregadas, as viagens com mais de um passageiro. Assim, as viagens coletivas já correspondem a 75% do total, o que reforça a proposta inicial do serviço, que é incentivar as pessoas que fazem o uso do transporte individual a aderirem ao modo coletivo; contribuindo, assim, para a redução do número de carros em circulação na região onde o CityBus 2.0 opera.

O CityBus 2.0 carrega com ele também um forte conceito de mobilidade. Com ele, quem nunca pensou que pudesse usar um transporte público coletivo, adere ao serviço. Deixa o carro em casa e quer ter o conforto de não ter que procurar estacionamento, correr o risco de sofrer um acidente no trânsito ou simplesmente, investir esse tempo pra ouvir uma música enquanto se desloca para o trabalho, adiantar uma tarefa da escola ou falar no telefone com um amigo. A produtora de eventos Gabriela Baleeiro, de 24 anos, abandonou a ideia de comprar um carro há cerca de um ano e meio, já que tem considerado que o transporte por aplicativo, Citybus 2.0, têm atendido a todas as suas necessidades e ainda têm como vantagem a economia. “Não vejo mais o carro como investimento, somente gasto. Além disso, é estressante dirigir. E ainda ganho tempo, já que no CItyBus posso ir acessando meu celular e resolvendo coisas dos meus eventos”, conta Gabriela.

Expansão

Todas as qualidades do serviço geraram muitos pedidos da população que mora em regiões que não são atendidas pelo CityBus 2.0 em Goiânia. A área de operação inicial era restrita, e a demanda para outras regiões, crescente. Os constantes pedidos da população pelas redes sociais @citybusbr para ampliação do atendimento, fizeram com que o CityBus 2.0 fizesse uma expansão antes mesmo de finalizar a fase de teste prevista para agosto. No dia 10 de julho, o CityBus 2.0 ampliou a atuação para mais 13 bairros, abrangendo a uma área total de 40,8 km2 que atende aproximadamente 340 mil pessoas em Goiânia

Sobre o CityBus 2.0

O primeiro transporte coletivo por aplicativo de celular da América Latina surpreendeu os clientes da capital, que têm aderido ao projeto de mobilidade coletiva sustentável. Os miniônibus têm assentos confortáveis, ar condicionado, carregadores de tomada e USB para celulares, portas automatizadas e câmeras de segurança para monitoramento dos veículos, motoristas e clientes.

O CityBus 2.0 funciona de segunda-feira a sábado, das 6 às 23 horas, e percorre mais de 20 bairros, entre eles os Setores Central, Sul, Universitário, Oeste, setor Aeroporto, Marista, Bueno, Bela Vista, Serrinha, Pedro Ludovico, Nova Suíça, Jardim Goiás, Alto da Glória, Vila Redenção, Jardim América, Parque Amazônia, Jardim Atlântico e Vila Rosa. O cliente pode fazer a avaliação pelo próprio aplicativo ao final da viagem ou pelas redes sociais “CITYBUSBR” no Facebook, Instagram e Twitter.  O download do APP está disponível nos smartphones para os sistemas Android e iOS. Após o cadastro, poderá solicitar a sua viagem e se deslocar para o ponto virtual indicado no aplicativo, onde fará o embarque para utilizar o serviço.

 

 

receba nossa revista
cadastro
Desejo receber periodicamente a revista da NTU